Home AGRO Mato Grosso registrou o maior número de abate de bovinos desde julho de 2014

Mato Grosso registrou o maior número de abate de bovinos desde julho de 2014

6 lido em
0
26

Sinal verde: Passados cinco meses do início da operação Carne Fraca, Mato Grosso registrou o maior número de abate de bovinos desde julho/14. O Indea-MT divulgou que em agosto/17 foram abatidos 496,90 mil animais, 13,12% a mais se comparado ao mês anterior. Entre as categorias, nota-se que houve um aumento no abate de machos e fêmeas em relação a jul/17, com avanço de 18,84% e 5,10%, respectivamente.

Cabe ressaltar que a quantidade de animais abatidos com menos de 24 meses cresceu 48,41%, resultado da intensificação das entregas dos bovinos advindos de confinamentos. Com as exportações de proteína bovina mato-grossense rompendo recordes e o aparente reaquecimento da demanda interna (cotações da carne com osso no atacado evoluindo nas últimas semanas), o abate de animais encontra sustentação na demanda para poder avançar ainda mais nos próximos meses.

• Esta semana ficou marcada por uma maior resistência dos produtores em entregar bovinos e, com isso, os preços permaneceram em alta, de 4,26% no boi gordo, sendo cotado a R$ 131,20/@, e de 3,61% na vaca gorda, cotada a R$ 123,79/@.

• Foi registrado um aumento de 1,73 p.p. no diferencial de base MT–SP, justificado pela maior valorização nos preços da arroba em Mato Grosso quando comparado a São Paulo.

• Refletindo diretamente a melhora na demanda interna, os equivalentes também apontaram altas consideráveis. A maior delas foi no equivalente físico, com 2,93%, cotado a 124,37 R$/@.

• A relação de troca boi-bezerro segue estável, dado que houve uma alta valorização para ambos os indicadores, ficando em 1,97 cab/cab.

TROCA OPORTUNA: Depois de 16 semanas a colheita do milho segunda safra chegou ao fim em Mato Grosso, e, desta forma, ficam disponíveis no mercado interno mato- grossen-se pouco mais de 30,45 milhões de toneladas do cereal. Com tamanha disponibilidade de um ingrediente fundamental na suplementação de bovinos, os pecuaristas veem surgir uma ótima oportunidade de negócio.

Para se ter uma ideia, as cotações do milho atingiram em ago/17 o menor valor desde set/14, chegando a R$ 12,04/sc. Con- comitantemente, o boi gordo à vista conseguiu se recupe- rar nas últimas semanas e atingiu o valor médio de R$ 119,91/@, no mês de ago/17. Dito isto, a relação de troca entre o milho e o boi gordo atingiu em ago/17 o melhor valor para os pecuaristas desde set/14, sendo possível adquirir 9,96 sacas com a venda de uma arroba de boi gordo, o que pode ser um estímulo aos produtores a suplementar seus animais.

Observações:
8 – Considera-se para o cálculo do equivalente físico do boi gordo um animal de 17 arrobas ou 255 quilogramas de carcaça; 49% do peso advém do traseiro com osso, 39% do dianteiro com osso e 12% da ponta de agulha, todos os cortes com osso no atacado.
9 – Consideram-se para o cálculo equivalente físico do boi gordo + couro/sebo os pesos dos cortes cárneos com osso e o peso do couro e sebo obtido no abate de um bovino.
10 – Consideram-se para o cálculo equivalente físico do boi gordo + couro/sebo + subprodutos o peso dos cortes cárneos com osso no atacado, o peso do couro e sebo e os pesos dos subprodutos da indústria.
11 – Consideram-se para o cálculo equivalente dos cortes desossados + couro/sebo + subprodutos o peso dos cortes cárneos desossados no atacado, o peso do couro e sebo e o peso dos subprodutos da indústria.
12 – Para o cálculo da relação de troca entre o boi gordo e o bezerro de 12 meses considera-se um boi gordo de 17 arrobas.

Fonte: Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea).

Veja Também

ALUNOS AUTISTAS VISITAM PARQUE AGROPECUÁRIO

  A Sociedade Goiana de Pecuária e Agricultura (SGPA), tem muitos apreciadores de seu…